Blog

18/12/2020

Crise que gera oportunidade

Fernanda Galina, auxiliar de Comércio Exterior, 24, anos. Arlindo Maciel Martins Júnior, músico, 32. Ela trabalhava na indústria e já nutria um desejo de tentar algo diferente da sua área de formação, “mas sobrava medo”! Optou então por entrar no programa de desligamento voluntário. Ele, músico, teve praticamente todos os trabalhos cancelados devido à pandemia. O que fazer? Se reinventar!“A primeira coisa que aprendemos com a situação de distanciamento social, de pandemia, foi que temos menos controle sobre as coisas do que acreditamos ter. E depois, que a crise nos força a ter que ‘dar os pulos’, ou seja, se estivéssemos em um cenário de maior comodidade e segurança, dificilmente teríamos nos aventurado em um novo projeto”, comenta Arlindo.

Depois de perceber que muitos planos seriam adiados e que uma mudança era inevitável, o casal de noivos optou por seguir por um caminho que antes lhe parecia improvável: abrir um delivery de lanches veganos. “Com a pandemia, a gente passou a ficar todo dia juntos. Nesse período, uma das coisas que mais fazíamos (além de assistir séries) era cozinhar! A gente postava os pratos nas redes sociais e fazia um sucesso! Percebendo isso, aliado ao fato de precisarmos de uma nova fonte de renda e o desejo de criar algo querido e nosso, tivemos a ideia de levar nossas comidinhas às pessoas”, recorda Fernanda.

A crise gerada pela pandemia tornou-se então uma oportunidade. “O momento possibilitou, ainda, trabalhar de forma independente, explorando uma nova área, ser criativos, nos conectar com pessoas, além de colocarmos nossa personalidade aliada a uma ideia, à filosofia vegana”, concorda o casal.

Compartilhe: