Notícias

27/09/2019

Pesquisa Salarial 2019

Profissionais que atuam em Recursos Humanos e/ou em ambientes de remuneração estão atentos às próximas ações que podem impactar a economia e os reflexos nas práticas vigentes em relação a eventuais mudanças de mercado. Os meses seguintes serão fundamentais para que se tenha uma projeção da economia do país, considerando a iminência da Reforma da Previdência e a transformação em lei da Medida Provisória 881/2019, a chamada MP da Liberdade Econômica. Sem elas, a sensação de desconfiança por parte de empresários e investidores impede vôos maiores e, por consequência, trava ferramentas de remuneração importantes para atrair, desenvolver e reter profissionais.

O parágrafo sintetiza um dos principais diagnósticos da 35ª Pesquisa Salarial, Benefícios e Indicadores de Recursos Humanos da ARH Serrana, apresentada dia 22 de julho no Hotel DallOnder Axten, em Caxias do Sul (RS), pela Consultoria SAP – Soluções em Remuneração. O evento reuniu representantes das 67 empresas de Caxias e região que contrataram a pesquisa, cujo objetivo é proporcionar informações sobre políticas, práticas e tendências de remuneração e indicadores de gestão.

Baseada nos números e no perfil das empresas participantes e em uma recente revisão do mercado financeiro por meio do Relatório Focus/BC, que apontou para este ano uma estimativa de queda do PIB para 1% e uma redução para 3,87% da inflação, a pesquisa detecta certa cautela por parte dos gestores diante do atual momento econômico. O levantamento também sugere que o cenário atual vai requerer dos times que atuam com gestão de pessoas reflexões e possíveis ações em programas de meritocracia com foco em remuneração e/ou programas não pecuniários, conectados com reconhecimentos dos colaboradores. “Percebe-se, pelos dados tabulados e analisados, que, em geral, os salários estão crescendo abaixo da inflação que orienta os reajustes salariais. Uma das variáveis a ser ponderada é que o momento econômico tem um efeito neste crescimento”, observa o consultor da SAP, Sebastião Perossi. Ele ressalta que essa expectativa diante do andamento da MP da Liberdade Econômica se justifica por ela objetivar a recuperação da economia, garantir investimentos em educação e tecnologia, possibilitar a desestatização e resolver questões concretas de segurança jurídica. “A MP deve reduzir burocracias para empresários, tem impacto no eSocial nas esferas tributária, contratual e societária”, adianta Perossi.

Pesquisa como suporte completo e confiável

A tradicional Pesquisa Salarial oferecida pela ARH Serrana consolida-se a cada ano como um suporte completo e confiável para a tomada de decisões das organizações, embasando as políticas de atração e retenção de colaboradores. Em relação a 2018, houve um crescimento de 8% no número de empresas participantes e o formato das perguntas da pesquisa contribuiu para conhecer as ferramentas utilizadas pelas empresas no ambiente de remuneração. Empresas do segmento metalúrgico, comércio, serviço, plásticos, bens de consumo e moveleiro, são alguns dos perfis de empresas presentes no estudo de remuneração, sendo que 60% delas têm um faturamento bruto entre R$ 16 milhões e R$ 300 milhões e 80% empregam até 500 funcionários.

Apesar do levantamento deste ano assinalar certa expectativa diante dos rumos da economia, apontou uma melhora no mercado das empresas pesquisadas em relação ao crescimento da mão de obra empregada. “Em 2018 houve geração de 1.672 empregos no universo das empresas pesquisadas, e neste ano, até março, 720”, destaca Perossi. Outro ponto de destaque da pesquisa é que 33% das empresas têm política de cargos e salários e 39% estão em processo de implantação. “Olhando para um período de curto prazo, mais de 70% terão um Plano para Gestão de Cargos, Carreira e Salários”, projeta o consultor.

Saiba mais sobre a Pesquisa Salarial da ARH Serrana 2019

- As 67 organizações participantes somam uma população de 37.823 profissionais

- Foram pesquisados 530 cargos

- 70% das empresas participantes são de Caxias do Sul. Flores da Cunha, Bento Gonçalves e Farroupilha vêm em seguida, respectivamente

- 64% das empresas participantes são do ramo da metalurgia e 12% do comércio e serviço, seguidos de outros segmentos

Compartilhe: